quinta-feira, 23 de junho de 2011

UMA INFÂNCIA ROUBADA (Mark Johnson)

O livro é uma autobiografia bastante elucidativa sobre o vicio do autor em crack e heroína. Nele se percebe a nítida trajetória dos viciados, sua entrada prematura no mundo da manipulação, dos furtos e roubos, entre outras coisas, levando, na grande maioria das vezes, quando não à morte, ao maior declinio social possível. O livro é bastante claro, despretensioso, dimensionando as pseudo lutas, assim como as grandes batalhas travadas por quem deseja se desvincular das drogas e dos mundos paralelos e imaginários forjados pelos vicios. Gostei da obra, embora percebendo que muito foi intencionalmente minimizado. Por um lado, minimizar as mazelas de um grande viciado impede o choque do leitor comum, assim como preserva, sendo autobiográfico, como já dito, uma certa dignidade ao autor. Entretanto, permanece a idéia de que não é assim tão dificil se livrar dos vicios, o que não é, em absoluto, verdadeiro. Afora esse pequeno aparte, recomendo a leitura, pois mesmo diluindo bastante os fatos, não deixa de ser um alerta necessário.
SINOPSE: Com uma honestidade emocionante, Uma Infância Roubada documenta a decadência de Mark rumo às profundezas do vício e da criminalidade. Viciado em heroína e crack, morando nas ruas de Londres com a cabeça a prêmio, ninguém, nem mesmo o próprio Mark, iria acreditar em sua sobrevivência, muito menos em sua reabilitação. Ainda assim, de alguma forma ele encontrou forças para sair dessa vida e tornou-se um ótimo empresário, que agora administra seu próprio negócio, empregando e ajudando outros viciados em recuperação. Sua história é ao mesmo tempo chocante e inspiradora. Uma narrativa emocionante sobre a luta de um homem para se salvar e para ajudar a salvar outros na mesma situação.

2 comentários:

  1. Muito bom, amei o livro, autobiografia bem explicada. Me fez pensar muito a respeito dos viciados, de poder entender que é necessário ajuda, e que podemos ficar atento para que não ocorra tal caída com as pessoas que estão perto de nós, todos precisam de ajudas, que não venhamos olhar com despreso, mas possamos ter atitude de estender a mão.

    ResponderExcluir
  2. Excelente! Me emocionei várias vezes; são cenas fortes . E aí a gente pensa de como Deus é bom.
    "quantos Mark nesse mundo•••!!!"

    ResponderExcluir

Agradeço seu comentário. Peço a gentileza de observar as regras de urbanidade e respeito.